Saúde e Odontológico Aquisição da Dental PLAN, lançamento de produtos e ampliação da certificação digital. + Saiba Mais
Automóveis Aumento da capilaridade, novos produtos e melhorias em precificação e gestão de sinistros. + Saiba Mais
Ramos Elementares Aprimoramento da política de aceitação de riscos e lançamento de novos produtos. + Saiba Mais
Pessoas (Vida e Previdência) Lançamento do Portal "Previdência Sem Blá Blá Blá" e adoção de novas tábuas atuariais. + Saiba Mais
Gestão de Ativos R$ 19,6 bilhões de ativos sob gestão, com classificação AMP-1 Muito Forte da S&P. + Saiba Mais

Sul América S.A. e Controladas
Notas Explicativas ás Demonstrações Financeiras

Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 (Em milhares de reais, exceto onde mencionado)

(6.1) HEDGE
Todas as operações relacionadas a esses instrumentos são negociadas e registradas por meio da BM&FBovespa ou mercado de balcão organizado. Para as controladas de atividade de seguros e previdência, a manutenção de instrumentos financeiros derivativos, seja através de contratos futuros ou swaps, podendo ser mantidos através de fundos de investimento exclusivos, tem por finalidade única a proteção das variações cambiais e flutuação das taxas de juros. No caso dos fundos exclusivos dos planos PGBL e VGBL, além dos contratos futuros atrelados a taxa de juros, a SULASEG também utiliza contratos futuros atrelados ao Índice Bovespa, em consonância com a política de investimento desses fundos. Os ganhos e perdas decorrentes desses contratos futuros não proporcionam qualquer impacto no resultado ou patrimônio líquido da mencionada controlada, em virtude de serem refletidos em igual montante nas provisões técnicas de previdência.

O critério para determinar o valor justo dos instrumentos financeiros derivativos é a metodologia de fluxo de caixa descontado, utilizando-se as taxas divulgadas pela BM&FBovespa.

(6.2) HEDGE DE FLUXO DE CAIXA
A Companhia, com o intuito de administrar a exposição à variação cambial do montante de US$ 130 milhões de principal das Senior Notes, emitidas em fevereiro de 2007 e com vencimento em fevereiro de 2012, mantém operação de swap junto a União de Bancos Brasileiros S.A. (Itaú Unibanco), registrado na CETIP S.A. – Balcão Organizado de Ativos e Derivativos, denominado “CETIP”(vide nota 16.4). A Companhia registra este instrumento derivativo avaliado pela metodologia de contabilização de operações de hedge de fluxo de caixa, com o total das valorizações ou desvalorizações, líquido de seus correspondentes efeitos tributários, reconhecido diretamente no Patrimônio Líquido. A efetividade deste hedge está inserida na margem entre 80% e 125%. O valor justo é determinado utilizando técnicas de modelagem de fluxo de caixa descontado, que usam curvas de rentabilidade. As informações para construir as curvas de rentabilidade são obtidas, principalmente, através das cotações disponíveis na BM&FBovespa sendo as mais relevantes a taxa do cupom sujo cambial e a taxa pré do período da database das demonstrações financeiras até a data de vencimento da operação, além da cotação do dólar de venda (PTAX 800) em 31.12.2011, disponibilizada pelo Sistema de Informações Banco Central (SISBACEN).

(6.3) QUADRO RESUMO DAS EXPOSIÇÕES EM INSTRUMENTOS FINANCEIROS DERIVATIVOS
Os instrumentos financeiros derivativos da SulAmérica, incluindo os contratos futuros relativos aos Fundos de Investimentos de Previdência Gerador de Benefícios Livres (PGBL) e de Vida Gerador de Benefícios Livres (VGBL), estão mensurados a valor justo através do resultado e estão demonstrados a seguir:

  Companhia
  Vencimento  Valor de Referência (Nacional) Valor Justo Valor a Receber/ Recebido Valor a Pagar/Pago
Descrição   2011 2010 2011 2010 2011 2010 2011 2010
Contratos Futuros                
Compromisso de Venda                
Moeda Estrangeira 2012  8.930 -  8.930 - 631 -  675 -
Contratos de Swaps                
Posição Ativa                  
Moeda Estrangeira 2012 243.854  216.606  243.518  208.192 - - - -
Posição Passiva                  
Taxa de Juros em Reais 2012 285.872 266.645 284.406 254.755      40.888  46.562


  Consolidado
  Vencimento Valor de Referência (Nacional) Valor Justo Valor a Receber/Recebido Valor a Pagar/Pago
Descrição   2011 2010 2011 2010 2011 2010 2011 2010
Contratos Futuros                
Compromisso de Compra                
Taxa de Juros em Reais 2012/2021 865.200  356.551 784.359 341.647  42.256 15.407 56.143 15.462
Moeda Estrangeira 2012  9.870 18.042  9.870 18.042  803 108  768 491
Índices    - 701  - 701  -  62  - 143
Compromisso de Venda                
Taxa de Juros em Reais 2012/2022  60.000 167.192 49.156 163.677 17.320 5.815 14.760  5.767
Moeda Estrangeira 2012  8.930  5.279  8.930 5.279 631  110  675  84
Índices 2012  6.567 21.295  6.567 21.295  376  585  350  937
Contratos de Swaps                  
Posição Ativa                  
Moeda Estrangeira 2012 243.854  225.514  243.518 217.101  - 6  -  40
Posição Passiva                  
Taxa de Juros em Reais 2012 285.872 266.645 284.406  254.755  -  -  40.888  46.562
Moeda Estrangeira    -  8.942  - 8.942  -  -  -  -
Contratos de Opções                
Posição Titular – Compra                
Índices    -  4.840  -  101  -  -  - 138
Ações    - 18.585  -  675  -  -  - 1.348
Futuro 2013  229.431  -  229.431  -  -  -  393  -
Posição Titular – Venda                
Índices    -  864  -  14  - 31  - 0
Ações    -  10.861  -  843  - 1.295  - 0
Posição Lançadora – Compra                
Ações    -  9.596  -  353      -  682
Futuro 2013 222.030  - 222.030  - 1.026  -    
Posição Lançadora – Venda                
Ações    -  2.840  - 178  -  890  -  -

Os valores a receber e a pagar dos contratos futuros são contabilizados nas rubricas “Obrigações a Pagar”, no passivo circulante, e “Títulos e Créditos a Receber”, no ativo circulante.

(6.3.1) MARGENS DADAS EM GARANTIA
Em 31.12.2011 e 2010, as margens dadas em garantia das operações de contratos futuros, swap e opções mantidos em fundos de investimentos exclusivos incluindo os fundos de PGBL e de VGBL e classificados como Títulos e Valores Mobiliários Mensurados ao Valor Justo por Meio do Resultado, são compostas conforme demonstradas a seguir:

2011
Ativo Vencimento Quantidade Valor
LFT março-2013  260  1.304
LFT junho-2013 1.229  6.165
LFT setembro-2013  1.176 5.898
LFT março-2014 2.681 13.439
LFT setembro-2014 616 3.087
LFT março-2015  2.045  10.241
LFT setembro-2015  440 2.203
LFT setembro-2016  30 150
LTN janeiro-2013  4.075 3.685
Total   12.552  46.172


2010
Ativo Vencimento Quantidade Valor
LFT dezembro-2011 315 1.416
LFT março-2012 21 94
LFT setembro-2012 35 157
LFT março-2013 564 2.531
LFT junho-2013 1.620 7.272
LFT setembro-2013 1.100 4.937
LFT julho-2014 80 359
LFT setembro-2014 90 403
LFT março-2015 30 134
Total    3.855  17.303

Não há exigência de margem de garantia para o contrato de swap referente ao principal das Senior Notes.

(6.3.2) ANÁLISE DE SENSIBILIDADE À EXPOSIÇÃO EM DERIVATIVOS
A análise de sensibilidade tem por objetivo ilustrar mudanças em variáveis de mercado nos instrumentos financeiros da SulAmérica. Como os contratos de derivativos existentes nos Fundos de Investimentos de PGBL e de VGBL não geram risco para a SulAmérica, essas posições não foram sensibilizadas. As análises de sensibilidade demonstradas a seguir foram estabelecidas com o uso de premissas e pressupostos em relação a eventos futuros. Os cenários estimados, revelam os impactos no resultado para cada cenário em uma posição estática da carteira para o dia 31.12.2011. Apesar da revisão regular das estimativas e premissas utilizadas, a liquidação das transações envolvendo essas estimativas poderão resultar em valores diferentes dos estimados devido à subjetividade inerente ao processo utilizado na preparação dessas análises. O dinamismo do mercado faz com que essas posições se alterem continuamente e não obrigatoriamente reflitam a posição demonstrada.

As análises de sensibilidade dos instrumentos financeiros derivativos foram elaboradas considerando cenários classificados como “Provável”, “Possível” e “Remoto”. Foi considerado como “provável” o cenário atual que serviu de base para a determinação do valor justo das operações e os cenários “possível” e “remoto” foram estabelecidos aplicando-se variações adversas de 25% e 50%, respectivamente, sobre as posições atuais, considerados os riscos envolvidos em cada tipo de operação. As variações de 25% e 50% correspondem às variações mínimas estabelecidas nos normativos da CVM.

2011
Operação Risco Derivativo Objeto Cenário Provável Cenário Possível Cenário Remoto
Futuro DI Alta do CDI Vendido em taxa de juros DI Futuro na BM&F -  (7)  (13)
Opção s/Futuro Alta do CDI Venda de juros futuros Opção s/Futuro na BM&F -    (1.500)
Efeito Líquido no Resultado    (7)  (1.513)


2010
Operação  Risco  Derivativo  Objeto Cenário Provável  Cenário Possível  Cenário Remoto
Futuro (a)  Alta do CDI  Líquido Vendido em Taxa de Juros  DI Futuro na BM&F -  (1.023) (2.010)
Futuro (b)  Queda do USD  Comprado em Dólar Americano  Dólar Futuro na BM&F - (812) (1.625)
Futuro (b)  Alta do Euro  Vendido em Euro contra Real  Futuro na BM&F -  (585)  (1.170)
Futuro (b)  Queda do Dólar Canadense  Comprado em Dólar Canadense  Futuro na BM&F -  (276) (551)
Futuro (b)  Alta do Iene Japonês  Vendido em Iene contra Real  Futuro na BM&F -  (308) (615)
Futuro (b)  Queda do Peso Mexicano  Comprado em Peso Mexicano  Futuro na BM&F -  (909)  (1.818)
Futuro (b)  Alta da Dólar Australiano  Vendido em Dólar Australiano  Futuro na BM&F -  (432)  (865)
Swap (d)  Alta do USD/CNY  Swap Ponta Ativa (Yuan Chinês) - - -
     Swap Ponta Passiva (Dólar Americano)  Resultado Líquido:  (190)  (1.609)  (3.029)
Swap (d)  Alta do JPY/USD  Swap Ponta Ativa (Dólar Americano) - - -
     Swap Ponta Passiva (Iene Japonês)  Resultado Líquido: 27  (820) (1.667)
Futuro (c)  Alta do Ibovespa  Vendido em Ações (Ibovespa) via Futuro - - -
     Carteira Diversificada de Ações  Resultado Líquido: - (11)  (22)
 Futuro e opções(e)  Estabilidade do Ibovespa  Vendido em Ações (Ibovespa) Via Futuro - - -
     Líquido Comprado em Opções de Ações e Índice - - -
     Carteira Diversificada de Ações  Resultado Líquido: (328)  (328)  (328)
 Efeito Líquido no Resultado (491)  (7.113)  (13.700)
(a) Contratos Futuros de Taxa de Juros (DI) de (1) um dia: Em 31.12.2011, as demais posições tem como objetivo auferir ganho com a queda da taxa de juros e com a arbitragem da curva futura de juros, se beneficiando com as distorções da taxa entre os diversos vencimentos.
(b) Contratos Futuros de Moedas: Em 31.12.2010, o objetivo foi a exposição direcional com o intuito de auferir ganhos com a variação cambial. A Administração considerou que o risco de se estar comprado em dólar americano, dólar canadense e peso mexicano foi a queda das respectivas moedas. Nas posições vendidas em euro, dólar australiano e iene japonês foi a alta destas moedas.
(c) Índice Futuro: Em 31.12.2010, o objetivo foi a proteção da carteira diversificada de ações com risco da alta da bolsa de valores.
(d) Swap de Moedas: Em 31.12.2010, existiam operações com ponta ativa em yuan chinês e ponta passiva em dólar americano e ponta ativa em dólar americano e ponta passiva em iene japonês. Nestas operações o risco estava na alta da ponta passiva em relação a ativa.
(e) Operações Estruturadas de Opções de Compra e Venda de Ações: Em 31.12.2010, ocorreu a compra de volatilidade das ações, auferindo ganho com oscilações maiores das ações do que o precificado pela volatilidade implícita. O risco desta operação foi a estabilidade da bolsa de valores.
topo